Home

Uma explicação

Há talvez uma explicação a dar: porquê um sítio electrónico, vulgo sítio, conviria a psicanalistas e, por isso ao Centro Português de Psicanálise - CPP. Não, a psicanálise não se pratica nem se transmite na Internet. Mas talvez num sítio, como nos jornais ou nos livros, algo possa ser dito que desperte em alguns a "cupidez curiosa" de que falava Freud (das Wiessbegierde) levando-os a procurar a psicanálise onde ela paira: na língua, na linguagem, na fala e até no divã de um psicanalista. Mas abrir um sítio pode também fazer-nos correr o risco de desviar a escuta dessa fala dando primazia ao olhar e à doxa.

O problema para os humanos que somos está na fala (e, por acréscimo, na sexualidade). Na educação, na governação, na psicanálise, profissões insustentáveis, - impossíveis dizia Freud - às quais Lacan acrescentou a ciência, o que angustia o profissional é a fala: a do outro e a própria. Talvez mais a própria, aliás. São trabalhos em que aquele que os exerce sabe que é aquilo que disser no seu exercício, o que faz acto. Eis o que é duro de sustentar.

Daí que, hoje, nas democracias do "senhor-toda-a-gente", floresça o cognitivismo comportamental. O seu princípio é exactamente evitar a fala: para ele, governar, educar ou curar é domesticar, treinar comportamentos predefinidos socialmente, transformar os humanos em pseudo animais previsíveis recalcando o sujeito, a pulsão, o desejo, em suma, o significante e a relação de cada um ao objecto que falta. Recalcamento com consequências. Porque só assumindo aquela falta ou perda se tem acesso ao mundo da representação onde o desejo se alimenta e se orienta e onde se asseguram as identificações sexuais.

Pensa-se hoje que a técnica pode resolver todos os nossos problemas - frio, fome, doença, mal-estar, capricho, solidão, comunicação... Mas não está em seu poder curar-nos nem da fala nem da sexualidade, nem do muro que existe entre um homem e uma mulher. A esse muro Lacan chamava linguagem.

A Internet, também ela, escamoteia ou facilita muito que se escamoteie a fala e a sexualidade. É pois ousadia da nossa parte pensar que poderemos ser, apesar dela e com ela, psicanalistas. Ousemos.

 

 

Atividades

 

Seminário

Escritos Técnicos de Freud

05/10/2016

20h30 às 22h30

Rua Nova do Almada, 36 3º Esq.

Lisboa